[A imagem de capa mostra o novo fóssil de Anthracodromeus longipes.]

Em florestas ao redor do mundo, animais com hábitos escansoriais (que vivem no alto das árvores) são comuns, como roedores, marsupiais e primatas; apenas para citar alguns exemplos. Não é de se espantar que, nas florestas pré-históricas, alguns animais também tenham desenvolvido tais hábitos. Na verdade, conhecemos alguns deles do registro fóssil, como os répteis arborícolas drepanossaurídeos e o recém-descoberto pterossauro com polegares Kunpengopterus. Mas quando os animais começaram a sair do chão para habitar as copas das árvores em busca de alimento e proteção? É isto que um novo estudo ajuda a responder.

A pesquisa, publicada na revista científica digital Frontiers in Earth Science, indica que o pequeno réptil Anthracodromeus longipes pode ter sido uma das primeiras espécies a adotar esse estilo de vida; ou, pelo menos, seria a mais antiga que teríamos conhecimento disso.

O Anthracodromeus longipes foi um réptil semelhante a um lagarto da família Protorothyrididae, tendo habitado a região da atual América do Norte entre 307 e 305 milhões de anos atrás, durante o período Carbonífero. Seus primeiros fósseis foram encontrados em Ohio, EUA, sendo descritos pelo paleontólogo americano Edward D. Cope em 1875, que o nomeou originalmente como “Sauropleura“. Em 1972, os paleontólogos Robert L. Carroll e Donald Baird re-descreveram a criatura em sua classificação atual.

Comparação de tamanho entre um Anthracodromeus e um ser humano. O animal poderia medir entre 15 e 20 centímetros de comprimento. Imagem de Prehistoric Wildlife.

O novo estudo consistiu na comparação de um novo fóssil de Anthracodromeus com outros descobertos anteriormente, bem como com os fósseis de outros répteis extintos de diferentes hábitos de vida. Observando os ossos das mãos e pés desse animal, os pesquisadores sugerem que o tamanho de sua área de aderência, as garras curvas e a relativa flexibilidade de seus dedos dariam ao animal a habilidade de escalar a vegetação mais alta.

Assim sendo, o Anthracodromeus seria um dos mais antigos vertebrados escaladores encontrado no registro fóssil e mostraria que os hábitos escansoriais teriam evoluído bem cedo entre os amniotas (grupo de animais cujos embriões são rodeados por uma membrana amniótica; incluindo mamíferos, répteis e aves). Ainda de acordo com os autores do artigo, essa descoberta colocaria a origem de tais hábitos de vida pelo menos 17 milhões de anos antes do que se acreditava originalmente. Antes do Anthracodromeus, o amniota escalador mais antigo conhecido era o Ascendonanus nestleri (Spindler et al., 2018), um réptil que viveu há “apenas” 290 milhões de anos atrás, durante o início do período Permiano.

(A) Fotografia da pata dianteira esquerda; (B) Pata posterior esquerda; (C) Pata dianteira direita; (D) Pata posterior esquerda; (E) Reconstrução da mão direita do animal; (F) Reconstrução do pé direito do animal. Imagem retirada do artigo.

Fonte: MANN, Arjan; DUDGEON, Thomas W.; HENRICI, Amy C.; BERMAN, David S.; PIERCE, Stephanie E. Digit and Ungual Morphology Suggest Adaptations for Scansoriality in the Late Carboniferous Eureptile Anthracodromeus longipes. 2021.

Publicidade